Tecnologia do Blogger.

Nosso Twitter!

Comentários Recentes

Parceiros



Seguidores

Total de visualizações

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Você não é o seu narrador, muito menos personagem!

Boa noite, ou boa tarde, quem sabe bom dia, para você quem está lendo esta postagem e acompanha o blog. Para você também, que digitou "como escrever uma light novel de sucesso" e deu enter no google, acabou parando aqui e curtiu nossos gifs. 

Falamos já sobre tipos de narradores, como escolhê-los, a voz do escritor, e, mais recente, a voz dos personagens. Por que enfatizamos tanto essa questão de voz?

Clique na postagem e descubra!

Dando o pontapé inicial para a postagem com uma frase praticamente tirada de um buzzfeed ou site que só quer visualizações da vida, vamos falar sobre a importância de se dar voz ao personagem.

Se você já enviou sua light novel para cá e recebeu nosso adorável e-mail com uma cara sorridente dizendo "REPROVADO" e, dentre os motivos estava
Não conseguimos sentir a sua voz pela escrita. Não é possível sentir o sabor da sua escrita pela narrativa.
Significa que você precisa trabalhar melhor como passa a voz das personagens, bem como a maneira que sua narração está contando os fatos. Não é para cortar os pulsos ainda, caro autor.


Pois bem, mas, afinal, por que queremos tanto que você nos mostre uma voz especial? 

Queremos que você nos mostre a capacidade de transpor suas ideias a partir da visão de outrem de modo interessante, por mais que esse outrem seja criado por você mesmo.

Vamos falar sobre a temática dessa postagem, do título, eu falei, falei, falei e falei mais ainda que você não é seu personagem, muito menos seu narrador. Se isso ainda não está decorado na sua alma, está na hora de decorar! 

Dando nome aos bois, o autor é quem escreve a história, o narrador é quem conta ela, e os personagens são quem participam. Bem simples, não concordam?

Não torne seus personagens como meros aspectos de si mesmo, eles podem ter características parecidas com as suas, mas são pessoas diferentes. Com pensamentos e objetivos diversos dos seus. O mesmo vale para o seu narrador, seja ele um narrador personagem, onisciente ou intrometido.

As experiências podem muito bem enriquecer nossa escrita, aprendemos muito com o que se passa conosco, mas não devemos falar só sobre nós. Quando recebemos uma novel aqui no My Light Novel, não esperamos ver um relato do que se passou com a sua vida. Não queremos páginas do seu diário. Queremos uma história bem escrita que possa ser publicada aqui. 


Quando você está escrevendo, exerce uma atividade de diálogo consigo mesmo e seus personagens. Permita que eles tenham voz, da mesma forma que você quer que sua voz seja ouvida pela narrativa. Autor e narrador não precisam concordar. Seu narrador não precisa pensar igual a você, ele não deve, na realidade.

Seus personagens não são reflexos seus, eles podem discutir com você e com seu narrador. Seu narrador não precisa aprovar as ações dos personagens, ele pode se utilizar da narrativa para criticá-las ao leitor.

Como já falamos na hora de escolher os tipos de narradores, quem vai dialogar com seu narrador não é você, são seus personagens, portanto, é necessário que cada um deles saiba se representar, ou teremos um monólogo!

Uma escrita em que seja possível sentir a perspicácia do narrador logo nas primeiras páginas cria capítulos interessantes. Começos em que a narrativa conquiste o leitor já é um grande caminho andado para a aprovação!


Ok, a Tany acha (MUITO) importante você descobrir a voz dos seus personagens, mas que tal ela dar dicas para tal?

Algumas dicas para diferenciar seus personagens pelos diálogos:

Atribua vícios de linguagem a eles: todos nós temos alguns tiques, seja uma palavra que repetimos muito, uma expressão que achamos legal, um jeito enrolado de falar, um sotaque ou expressões regionais já são formas de demonstrar de onde o personagem veio ou que ele não é originário do mesmo ambiente que os demais.  Por que seus personagens não podem ter um detalhe nas falas que os diferencie?

O tamanho das sentenças: cada um de nós possui um ritmo de fala. Enquanto alguém pode preferir sentenças longas, que nos deixem sem ar só de ler. Outros podem utilizar várias frases curtas, como uma mini metralhadora. O equilíbrio entre o rápido e o demorado, o breve e o alongado, é o que permite que seus diálogos tenham um valor de verossimilhança. 

E se meu narrador não for um personagem, o que eu faço? Pois bem, comentamos nas postagens de narradores que existem os narradores intrusivos, que comentam o que se passa, participando do ato ou não. Que tal tentar um desses?


Mas em tudo na vida é preciso bom senso. Um narrador que se intromete demais é como aquela pessoa chata que toma o microfone da sua mão e começa a falar coisas que você, nem sua audiência, muitas vezes, deseja ouvir. Não é legal. Não é nada legal. Não seja essa pessoa.

Seja um narrador autodiegético ou heterodiegético, se ele ficar filosofando ou refletindo demais, descrevendo detalhes irrelevantes ou explicando demais o contexto das coisas - lembre-se, mostre, não conte! - e o comportamento dos personagens, ou, para piorar, determinar uma interpretação e julgar tudo o que se passa na história... ele vai tirar um dos maiores prazeres da leitura: preencher as lacunas criadas pela narrativa e tirar sua própria interpretação.

Como eu disse anteriormente, escrever é um diálogo em várias partes e níveis. Você vai dialogar com seu narrador e seus personagens em um nível fora da história, eles dialogarão entre si dentro dela, e você dialogará com o leitor através dela!

Ninguém quer uma história que mais parece o narrador querendo quebrar a quarta parede para dar sua opinião sobre as coisas, não é mesmo?

Ficamos por aqui hoje! Confira nossos últimos lançamentos, nos acompanhe nas redes sociais: temos um twitter com dicas de português (quase) diárias e um facebook muito bacana!

E não deixe de comentar, seu comentário é o que nos motiva a continuar o trabalho aqui na MLN!

Ninguém perguntou, mas Outer Science é minha música favorita de Kagerou Project.

2 comentários:

  1. Mais um belo post muito bem explicativo!
    Há algumas novels/história/fanfics que o autor tenta colocar toda sua personalidade nos personagens e se recusa a colocar aspectos que não goste, que acaba ficando chato ao longo do tempo, já que se seguirem o gosto do autor, todos ficariam parecidos um com o outro.
    Estou focando nas personalidades de meus personagens agora com suas dicas. Percebi o quão importante é você passar a voz do seu personagem ao leitor, dá um aspecto que vida a obra.
    Obrigado por me viciar em Outer Science também hahaha. É incrível como em uma "simples" música você consegue sentir todos os sentimentos e aspectos da personalidade do personagem né.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disponha pelo vício, Matheus \o
      Maldito seja o Jin e suas músicas viciantes, haha. Um fato de Kagerou Project ser tão envolvente é a capacidade de conhecermos os personagens pelos detalhes nas músicas, o efeito visual auxilia também, mas o ritmo e a escrita delas que são o principal fator.
      Fico feliz que a postagem tenha ajudado, qualquer dúvida sobre a criação e desenvolvimento de personagem, estamos sempre por aqui, neste mesmo canal.

      Excluir

Nosso Facebook!

Postagens Populares

Receba nossas novels por e-mail!