Tecnologia do Blogger.

Receba nossas novels por e-mail!

Nosso Twitter!

Comentários Recentes

Parceiros



Seguidores

Total de visualizações

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Especificidade: Como pequenos detalhes podem melhorar sua narrativa



Em tempos remotos, um grande escritor e filósofo já disse que a descrição é a alma da imersão. Se você descreve de um jeito legal, traz uma imersão legal para o seu leitor. Mas se descrever de maneira a fazê-lo largar sua história quando seu personagem principal entra no escritório daquele que é seu grande vilão, mas que ele ainda não sabe, mas mesmo assim entra e não sabe o que esperar...

Então esse post é pra você.
Leia Mais e entenda o que é e qual a função da especificidade dentro da sua narrativa.

Scoooottt, me ajuda!


"O QUE É A ESCRITA?
 TELEPATIA, É CLARO."

Há uma mesa de madeira aos pés de uma janela. Em cima dessa mesa, há um vaso repleto de flores azuis bastante vivas. Contudo, percebe-se que estão murchando pouco a pouco.

Conseguiu imaginar? Essa propriedade da escrita, que muitas vezes acaba passando despercebida, é essencial para uma evolução como escritor, ferona.

Perceba como uma coisa que veio da minha mente passou para a sua mente em poucos segundos. Mesmo que talvez apresente pequenas divergências, é praticamente a mesma ideia – você pode ter imaginado um vaso transparente, uma parede de madeira ou uma janela quebrada.

Essa linha de raciocínio imersiva, contudo, pode induzir ao erro: não se trata de descrever tudo, mas de descrever o necessário (como já explicamos nesse, nesse e nesse post). Porém, esse é o problema. Muitas vezes, quando descrevemos somente o necessário, acabamos por resumir demais os elementos da cena. Esse tipo de construção limita a prosa a algo muito planificado, sem profundidade.

No nosso exemplo, o que eu desejava que você captasse era o descuido de um personagem para com suas flores. Essas, azuis. Eu não precisei ligar para você, perguntando se enxergou as flores azuis. Você somente enxergou.

Agora, pense: Se você, como autor, quer causar uma sensação de imersão dentro da sua história, o que pode fazer para que isso aconteça? Será que somente dizer que havia um vaso é o suficiente para passar a sensação que você deseja?

Ou é preciso algo mais?


NÃO ESTUDE LITERATURA, ESTUDE CLARICE!

Caso estude sozinho para a escola/vestibular/faculdade, deve ter ouvido para ser específico com o seu planejamento. Não é somente estudar História, é estudar Revolução Industrial; em Língua 
Portuguesa, coesão e coerência; e assim por diante. Aqui, na escrita, é a mesma coisa.

Sentenças muito vazias passam a impressão de... vazio. Vê se me entende:

“O homem saiu de casa e entrou no bar.”

Pode ser qualquer homem. Em qualquer lugar do universo. Em qualquer bar do cosmos cintilante. Seja mais específico!


Ninguém se torna um vilão de respeito sem planos diabólicos bem específicos.


Quando as pessoas leem ficção – ou não-ficção, que seja —, elas buscam ficar o mais perto possível da realidade daquela obra. Elas gostam de sentir como se estivessem vivendo uma história, não somente lendo uma. Elas querem justamente isso: enxergar com os próprios olhos os acontecimentos da história.

Porém, quando você me diz que um homem qualquer saiu de uma casa qualquer e entrou em um bar qualquer, a não ser que ele se chame Qualquer, a casa tenha o apelido de Qualquer e o bar tenha uma placa de neon que pisca “Qualquer”, você não conseguiu criar qualquer imersão em sua narrativa.
Agora vamos alterar um pouco a sentença, okay?

“Um homem de cabelo grisalho, com pouco mais de cinquenta anos, bateu a porta de sua casa. Buscando esquecer de seus pecados, caminhou até o bar mais próximo, com a intenção de beber e, se Deus quisesse, nunca mais acordar.”

Olha só, a nossa sentença ficou melhor! Já conseguimos entender um pouco mais da situação. Restringimos todos os homens do universo para um que tenha cabelo grisalho e pouco mais de cinquenta anos — não que isso seja muito importante; anote isso. Também temos alguns trechos de transição, revelando o que ele desejava ao caminhar para o bar. Contudo, isso contraria outro conselho: não descreva, mostre.

Teremos que modificar nossa frase de novo? A resposta é: achou que não?

“O policial saiu cambaleante de sua casa. Avistou o bar mais próximo e, em pouco tempo, esmurrava a mesa pedindo por uma garrafa de cerveja, manchando ainda mais suas mãos de vermelho.”

BINGO! Criamos mais restrições e deduções, saca só:

Restrições:

1. Pronome definido “O” focaliza em um determinado personagem.
2. Personagem: policial.
3. Situação emocional: abalado e embriagado (cambaleante).
4. Situação física: mãos manchadas de sangue.

Deduções:

1. Acabou de cometer um crime enquanto estava embriagado (saiu de casa, bêbado, com as mãos sujas de sangue). Continua nervoso.

Como assim? Somente uma dedução? EXATAMENTE!
Perceba que minhas restrições te direcionaram para um único ponto, uma única dedução. Eu não precisei te dizer que ele assassinou um membro da família, que é alcoólatra, que provavelmente matou alguém com uma arma de fogo. Você conseguiu captar esses detalhes sem eu precisar criar um Manual de Instruções Sobre o Policial Da Minha Sentença, dizendo que ele tem 1.79cm, que se embriagou com Atnaf Uva e etc.

Você somente entendeu.



"E O QUE MAIS EU POSSO FAZER PARA NÃO SER REJEITADO POR VOCÊS?"

Primeiro: não tente — interprete como quiser.
Segundo, utilize o ponto de vista ao seu favor. Se estiver narrando em primeira pessoa, imagine como essa pessoa reconheceria sensações, cheiros, lugares, pessoas. Caso seja em terceira, inclua detalhes que façam seu leitor chegar a conclusões interessantes.

Muitas vezes, ser subjetivo é uma coisa boa. A capacidade de produzir imagens sem soar como um Manual de Instruções faz com que seu leitor capte várias informações importantes sobre a trama: uma planta morrendo pode significar que ele é descuidado; uma pessoa que carregue um colar de cruz pode significar religiosidade; a foto da mãe na carteira pode indicar muito apego e por aí vai.

São esses pequenos detalhes, essas especificidades, que tornam sua narrativa muito mais interessante.
Além dessa parte mais estilística, usar as palavras certas sem ser redundante também é bastante importante.

“Bater a porta” não é a mesma coisa que “fechar a porta”, “pedir um drink” não é a mesma coisa que “pedir uma garrafa de Toddynho”. E não existe essa de bater a porta com força!

Você já viu alguém bater uma porta devagar? Se já viu, então deixa eu te contar uma coisa: ela não bateu a bendita porta!

Por fim, só mais uma coisa: seja seletivo com seus detalhes. Encaixe-os em momentos certos. Muitos deles podem diminuir o ritmo, enquanto a falta pode tornar sua narrativa bastante chata e cinza. Coloque detalhes importantes no meio da ação – ou antes dela — e veja o leitor se interessar cada vez mais por seus personagens.

Não se esqueça de curtir e compartilhar nossa página do Face e seguir a gente no Twitter para mais dicas legais, e até o próximo post.


Até mais!

13 comentários:

  1. Util, não, muito util, na verdade. Provavelmente minha novel vai sair bem melhor com essas dicas de vcs, obrigado <3

    ResponderExcluir
  2. A qui as nossas Light noves serão separadas em volimes por exemplo um volume comtem 10 capítulo ai o volume encerrar mas a história nao aqui e assim ou nao tem separação por volume por favor me ajudem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mickael.
      Primeiramente, tudo o que se refere à novel diz respeito ao autor e seu respectivo revisor. A divisão por "volumes" pode ocorrer, sim, porém, o número exato de capítulos que cada um deles vai ter dependerá do que o autor e o revisor combinaram.
      E caso sua novel tenha somente um volume, também não tem problema. o/

      Excluir
    2. Obrigado por me responder eu pensava que so podia ter um volume cada novel

      Excluir
  3. Quem não tem E-mail corporativo ou estudante pode enviar sua Light novel ou e necessário algum desses E-mail para envia a novel ,e e necessário cada capítulo tem images ou a novel pode sair sem tem images,e desculpe por fazer tantas perguntas porque sou novo aqui e pensei em escrever uma novel e por isso estou fazendo perguntas desse tipo e parabéns pelo seu blog ou site não sei difeciar .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, novamente, Mickael.

      1º - Você somente precisa ter um e-mail que consiga acessar para preencher o formulário de envio. Não precisa ser um corporativo ou de estudante.

      2º - Não é necessário que novels tenham ilustrações.
      Espero ter sanado suas dúvidas.

      Excluir
    2. Obrigado por me responder e parabéns pelo seu trabalho

      Excluir
    3. Valeu, Mickael.
      É nózes!

      Excluir
  4. Oi, quem tem Light Novel publicada no Wattpad pode tentar publicá-la aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anon.
      Sim, não tem problema algum a obra ter sido publicada em outra plataforma, desde que o autor conceda direitos de distribuição também ao MLN.

      Excluir
  5. Respostas
    1. Obrigado pelo feedback, Vitor :D
      Ficamos muito contentes - apareça mais vezes!

      Excluir

Nosso Facebook!

Postagens Populares