Tecnologia do Blogger.

Receba nossas novels por e-mail!

Nosso Twitter!

Comentários Recentes

Parceiros



Seguidores

Total de visualizações

sábado, 24 de setembro de 2016

Clichês: Vamos jogar um jogo?


Esse assunto é um pouquinho delicado, então não prometo ser gentil. :)

Bom período do dia! Hoje estou aqui, com toda minha malemolência, para falar sobre um assunto que já foi tópico de muitas discussões no – já inexistente – chat, e conversas legais no nosso grupo secreto do Skype. Sendo assim, vamos falar um pouco sobre clichês e até aproveitar para jogar dois joguinhos divertidos e educacionais! Então, está esperando o quê para ler o resto da matéria? Vamo lá, garanto que tá legal.

Muahahaha!




O que são clichês?

De maneira resumida, clichês são ideias já muito batidas dentro de uma ou mais esferas do entretenimento. Um pouco complicado? Vamos dar alguns exemplos.

Cinema: Romeu e Julieta contemporâneo – Menina pobre, cara rico, final feliz.
HQ/Mangá: BIRL! – Treinamento te deixa muito monstro, de alguma forma estranha.
Literatura: Síndrome do Escolhido – O barroco, predestinado, salvador da Terra.

Com certeza, enquanto lia alguns desses tópicos, algumas imagens lhe vieram à mente. Pois é, isso comprova o quanto nós estamos imersos nessa cultura de clichês. Todos os dias damos de cara com obras que recriam a mesma coisa, somente mudando uma coisinha ali, outra aqui. E, de certa forma, acabamos absorvendo isso também.

“Tá bom, Vong, então deixa eu ver se entendi: Clichê seria tipo uma cor que tá na moda, que todos acabam usando em uma calça, uma camisa, uma cueca, mesmo sem perceber. E acaba que tem tanta gente usando, que fica feio.”

Exato, ferona.

“Aí quando alguém inventa uma cor nova, todo mundo migra pra ela e assim vai... Mas me dá um exemplo aí que eu não tou conseguindo assimilar direito.”
É pra já.

Imaginemos que surgiu um livro chamado “Senhor dos Anéis.” Nele, um jovem rapaz embarca em altas aventuras com sua turminha da pesada, em um mundo cheio de perigos, dragões e magia. Pois bem, acontece que ninguém nunca tinha lido algo assim antes. Então, isso se torna um ícone para todos os fãs de Fantasia do mundo. Assim sendo, eles começam a replicar essa fórmula de Jornada do Herói.

E dá certo, olha só!
Entretanto, com o passar do tempo, isso cansa. O mercado já não aguenta mais CopiaDeSenhordosAnéis.docx, pois todos esses elementos foram tão repetidos que tornaram-se cansativos e previsíveis, logo, clichês.

Ah, mas espera aí! Clichês não se resumem à narração!

O Quiz das Comparações Clichês!

Como jogar: Complete mentalmente as frases a seguir.
a) Branco como o ________.
b) Vermelho como o _______.
c) Azul como o ________.
d) Burro como uma _______.
e) Rápido como um ________.
f) Forte como um _______.
g) Escuro como a _______.


Vamos conferir as respostas e ver se você conhece todos esses clichês!

a) Branco como o leite.
b) Vermelho como o sangue.
c) Azul como céu.
d) Burro como uma porta.
e) Rápido como um foguete.
f) Forte como um touro.
g) Escuro como a noite.

Se você acertou todos, meus parabéns! Agora pare de usar, a não ser nos casos que listaremos a seguir.

Clichês são sempre ruins?

Sim, caso forem utilizados da maneira mais tosca possível. Dragon Ball, por exemplo, foi um dos primeiros a adotar transformações loucas, junto com personagens comilões, mundo tecnológico e retrógrado, etc. Hoje, se você usar essa combinação na sua história, provavelmente ela seja reprovada por não ser original.
Personagens antissociais existem de monte nas obras orientais, como também personagens com peitos avantajados e histórias que seguem a predestinação, com pequeno toque de romance e uma pitada gigante de comédia. Atualmente, isso pode ser considerado clichê.
Entretanto, caso utilize os clichês de uma maneira diferente, eles deixam de ser algo totalmente ruim. Quer exemplos? Tudo bem, vamos lá.

1. Piadas: Obras de humor costumam usar clichês, justamente para tirar sarro deles depois. Um garoto antissocial? Um nerd? Um pervertido? Por favor, tudo isso pode virar uma boa piada nas mãos de quem conhece o terreno em que está pisando.

2. Sátira – é diferente de uma obra que faz piadas!: Sua intenção é usar esses clichês para ressaltar o que eles são de verdade? Não se importa em pegar elementos da cultura pop e usá-los ao seu favor, de uma maneira nova, mas com moldes antigos? Que tal um super-herói jovem que não controla os poderes? Ou um professor super másculo e poderoso, que arrebenta tudo com seus vários socos e corpo definido? Ou ainda a garota fofinha, mas com um grande potencial, que é a paixonite do principal? Ou, se preferir, um personagem que parece ser um vilão, mas na verdade faz de tudo pra proteger nossos heróis?

OBS: fazer isso leva muito tempo e prática. Não recomendamos enviar algo assim, porque provavelmente seja reprovado, devido a não-originalidade do plot. Entretanto, se for desenvolvido de modo espetabuloso, vai ser uma grande aquisição. 

3. Nunca. Sério. Não mesmo. Não escreva ou envie algo assim. Grato, a gerência.

A reação dos revisores ao ler os clichês de vocês.

Como saber se minha obra tem muitos clichês?

Apresento-lhe o Bingo dos Clichês! Nele, você pode observar a maioria dos clichês existentes em obras ficcionais e perceber o que você pode ou não pode mudar dentro da sua novel.



Se você marcou de 1-3 quadradinhos, dá uma lida melhor nos nossos posts.
Se você marcou 4 quadradinhos, pense muito bem no que está escrevendo.
Se você marcou 8 quadradinhos, reescreva isso, pelo amor de Deus.
Se você marcou 12 quadradinhos, você devia renascer.
Se você marcou 16 quadradinhos... como é que você existe? Recomendamos que queime tudo o que escreveu da sua história.

Bom, por hoje é só.
Se divertiram com os jogos? Aprenderam alguma coisa? Comenta aí embaixo quantas comparações acertaram, ou quantos pontos fizeram no bingo; ficamos felizes em ler.
Então, até mais!

15 comentários:

  1. Tirei só três, ainda tenho salvação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim esperamos.
      Estamos de olho em seus clichês.

      Excluir
  2. Olha, o post foi muito bom. Mas na minha opinião, a maior parte das histórias contem no mínimo 3 desses elementos. Acho que a definição de clichê seria se apegar demais a uma história já existente(Vulgo Rakudai/Asterisk eu amo os dois). Então, acho que definir como clichê uma história que apenas contenham três desses tópicos é meio exagerado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Adam. Bem, nós não dissemos em momento algum que seria totalmente clichê se apegar a um dos tópicos. Se for parar para pensar, tudo tem um toque de clichê (porque, como eu mesmo disse, estamos imersos em uma cultura de clichês), seja em personagens ou narração. E se esses elementos já são amplamente utilizados, podem sim ser considerados clichês. Personagens antissociais já viraram clichês no âmbito das novels, mas isso não quer dizer que não possa usar um - apenas que deve prestar mais atenção para torná-lo único.
      Em síntese é isso,
      Obrigado pelo comentário! \o

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Vong. Eu estou "rascunhando" uma estória com quatro dos pontos citados acima. O 1(Protagonista), 3(Magia), 12(Criatura sobrenatural) e 14(Vingança). Eu pessoalmente acho que não está clichê por causa do desenvolvimento que planejei. Você teria algumas dicas para me dar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Leon. Bem, sua obra ter alguns dos pontos citados não é o grande problema. Como disse no post, é necessário que você desenvolva sua história de uma maneira diferente - melhorada, talvez - para que esses clichês não sejam tão evidentes ao ponto de sua novel ser considerada totalmente "clichê", mas que haja um equilíbrio entre um bom desenvolvimento e a utilização de elementos já consagrados na literatura. Por isso, reforço: desenvolva bem sua história, porque ser clichê ou não depende mais disso do que dos próprios elementos. ;)
      Boa escrita! \o

      Excluir
  5. Olha, com todo o respeito, vai se f****.
    É quase impossível escrever algo sem copiar pelo menos uma coisa de alguém, ainda mais quando esse alguém é uma das suas inspirações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, ferona.
      Primeiro de tudo, calma com o linguajar. Vamos lá, tem como sim, escrever algo sem copiar ninguém. Copiar abertamente, da forma que você fala, é plágio e punido por lei.
      Você pode se inspirar em pessoas que admira sem copiá-las. Pode utilizar os clichés da forma correta para não detonarem sua história.
      Tudo depende de como você os usa.

      Excluir
  6. Clichés não são ruins, pelo contrário, se forem utilizados de formas inteligentes e inovadoras poderá ser um enredo bastante interessante que o tornará ansioso para saber o que irá acontecer. Kohei Horikoshi, autor do mangá Boku no Hero Academia é um excelente exemplo disso mesmo. Eles usa os típicos clichés que vemos em Shounen e dá uma volta de 180º, uma manobra muito inteligente onde pega qualquer leitor de surpresa porque estão esperando que o desfecho seja como eles previram mas no fim acaba por ser completamente o oposto, ou uma rota que nem passou na cabeça dos leitores, isto porque estão obcecados com os clichés e não abrem a sua mente para ideias novas.

    ResponderExcluir
  7. Tirei dos clichês, ainda tenho salvação, que posts devo ler ?

    (Esses clichês fazem sentido e tem um motivo na história que pretendo escrever)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continue vendo nossas postagens de dicas, você vai precisar.

      Excluir
  8. Boa noite, o protagonista do meu projeto tem um "poder especial" mas este poder não é exclusividade dele (apesar de apenas um grupo minoritário da população o possuir), neste caso isso seria caracterizado como clichê?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo depende da forma como você utiliza esse recurso.

      Excluir

Nosso Facebook!

Postagens Populares