Tecnologia do Blogger.

Receba nossas novels por e-mail!

Nosso Twitter!

Comentários Recentes

Parceiros



Seguidores

Total de visualizações

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Dicas Rápidas da Tany #1

Levem o título na esportiva.

Boa noite, pessoal!

Hoje a Tany veio, com todo amorzinho, fazer uma postagem um pouco diferente, mas ainda no habitual. Em vez de falar de apenas um conteúdo, vou reunir 4 principais erros que todo, repito e sublinho, todo autor que chegou até mim já cometeu.

Dependendo da recepção de vocês, esse tipo de postagem pode virar um quadro mensal aqui do site (ao menos é a minha intenção, mas enfim). Tudo que vou falar aqui são errinhos bobos e simples, que não merecem uma postagem toda só para eles, mas que todo mundo comete.

Então vamos começar!

Vou usar uma pequena historinha para ilustrar os erros, quem sabe esses exemplos ajudem melhor.

Há muito tempo atrás, em um país a muito esquecido, todos viviam com alegria, até a nação do fogo atacar, o Rei Demônio despertar. O castelo do Rei Demônio ficava há quilômetros de distância do vilarejo mais próximo, porém isso não o impediu seu exército de seguir adiante.

Vamos prestar bastante atenção nos trechos em vermelho. O primeiro:

Há muito tempo atrás.
O que há de errado aqui? Bem simples, caro autor-kun. Temos um pleonasmo, agora, enquanto você tenta lembrar o que é um pleonasmo, permita-me explicar. e atrás são duas formas de indicar tempo passado, então você não pode usar as duas em uma mesma frase para indicar tempo passado, precisa escolher entre um ou outro.

[...] em um país a muito esquecido.
E aqui, qual o problema? Simples, olhem esse a. Ele está sendo usado de forma errada. Ele indica um tempo futuro, algo que ainda vai acontecer. Da forma como a frase está proposta, o a está contradizendo o verbo conjugado no passado. Então qual seria a forma correta? Simples, é só trocar esse a pelo , que indica tempo passado, ficando: "[...] em um país muito esquecido."

O castelo do Rei Demônio ficava há quilômetros de distância do vilarejo.
E quanto a última? É só olhar o , da forma como está na frase, dá a entender que existem quilômetros de distância e não que o castelo está distante do vilarejo. indica existência ou um tempo que se passou, não se encaixa aqui, encaixa? Tá, e agora? O que fazemos com esse ? Trocamos por a, é claro. A indica distâncias ou tempo que ainda vai se passar. Ficando: O castelo do Rei demônio ficava a quilômetros de distância do vilarejo.

Revisando o que aprendemos:
: indica TEMPO PASSADO
A: indica TEMPO FUTURO 
Atrás: indica TEMPO PASSADO, e não pode ser usado em conjunto com o .

Avançando com o bonde agora!

Porque? Por que o Rei Demônio era ganancioso, queria expandir suas terras e ficar cada vez mais rico. Mas não era o por quê real. Porquê, na realidade, ele apenas estava entediado.

Vamos prestar bastante atenção nos trechos em vermelho. Vamos ver o primeiro e a segundo:

Porque? Por que o Rei Demônio era ganancioso.
Primeira regra sobre o uso dos por que: Por que separado é para pergunta e porque junto é para respostas. Isso a Tia Malfada nos ensina lá na terceira série. O primeiro por que aqui é qual? De pergunta, certo? E está seguido pelo quê? Exatamente, um ponto de interrogação! Toda vez que o por que for seguido por um ponto de interrogação, ele deve ser acentuado. A forma correta, então, é: Por quê
Agora, e o segundo? Ele está indicando uma resposta, então deve ser junto. A forma correta fica: Porque o Rei Demônio era ganancioso. 

Vish! Mas como eu vou ter certeza de que é um de resposta ou um de pergunta? 
Fácil, fácil! Substitua o por que na frase por "por qual motivo", se essa expressão encaixar na frase, é por que de pergunta. Senão, é porque de resposta.

Mas não era o por quê real.
Agora que você já sabe usar três tipos de por que (se não sabe, releia os parágrafos anteriores até aprender), vamos falar do último tipo. O porquê, junto e acentuado é sempre antecedido pelo artigo o, ele significa "o motivo", então, quando você puder trocar um pelo outro, a frase estará certa. É só isso. Moleza, né? Então, nessa frase ficaria: Mas não era o porquê real.

Revisando o q---Mas e a última frase, Tany? Isso fica para dever de casa. Vamos revisar o uso dos por que:
Por que: para PERGUNTAS.
Porque: para RESPOSTAS
Por quê?: para PERGUNTAS SEGUIDAS DE INTERROGAÇÃO.
O porquê: para quando O SENTIDO FOR O MOTIVO

Próximo item! Esse é especial para todos vocês que fazem diálogos em que duas pessoas conversam e se chamam pelo nome com frequência.

Um herói foi chamado para derrotar o Rei Demônio e impedir que ele destruísse mais vilarejos. 
Vá Herói! Vença Herói! Todos depositam suas esperanças em você!

Antes de prestar bastante atenção nos trechos em vermelho. Vamos ver o que é um vocativo:

Vocativo é um termo que não possui relação sintática com outro termo da oração. Não faz parte do sujeito, nem do predicado. É o termo que serve para chamar um ouvinte, real ou hipotético. 

Tá, agora vamos aos trechos:

Vá Herói! Vença Herói! 
Qual o vocativo nessas frases? Pontos pra quem respondeu Herói. E agora, por que elas estão erradas? Estrelinha pra quem disse que é por que falta uma vírgula. Agora vem a regra: o vocativo sempre deve estar separado por vírgula(s) do resto da frase. De tal forma, o correto seria: Vá, Herói! Vença, Herói!

Essa regra é a mais simples, então não vamos perder tempo revisando ela. Decore isso. Vai cair na prova.

Último tópico!
Mas o Herói não sabia aonde ficava o castelo do Rei Demônio. Também não sabia onde ia quando saiu em sua jornada.

Vamos analisar o final da historinha:

"[...] aonde ficava [...]" e "[...] onde ia [...]"
Onde é para indicar lugares fixos, onde alguém ou algo está. Aonde indica movimento, para onde alguém ou algo vai/está indo. Sabendo disso, o que tem de errado nas frases? Isso mesmo, um está no lugar do outro!
Se aonde indica um movimento, não pode ser usado para indicar um local fixo, como a localização do castelo. Se onde indica um lugar em que se está, não pode indicar um movimento, como ir.

Diquinha da Tany, caso você não saiba dizer se é movimento ou lugar fixo:
Troque o advérbio por "para onde", se encaixar, você pode utilizar aonde. Se não, é onde mesmo.

Você acha que é só isso e acabou? Não, não, não! Tem mais!

Agora vamos falar do verdadeiro problema que vocês, autores, tem com onde (não que vocês não troquem onde e aonde toda hora, mas enfim): Usar onde como pronome relativo.
Se quiser saber o que é um pronome relativo, procure no tio google.

Em suma, você só pode usar onde para indicar lugares fixos e reais, não pode usar para indicar  tempo. Use outros pronomes relativos que tem a disposição: em que, no qual, na qual.

Dessa vez acabamos.

Isso é tudo por enquanto, nos vemos mês que vem (se continuarmos) nesta mesma hora, neste mesmo canal.

Se desejarem alguma postagem com um assunto específico (gramatical ou não), comentem!

É isso, fiquem com Megumin:


2 comentários:

  1. Valeu pelo post Tany. Continue sendo a adórável corretora que faz todo mundo lembrar o porquê de ter enviado a novel :)
    Abraço o/

    ResponderExcluir
  2. Agora falando sério. Embora esse post seja acerca de erros com menor importância, penso que é bastante útil para quem tem essas dúvidas. Valeu de novo.

    ResponderExcluir

Nosso Facebook!

Postagens Populares